Trombofilia e abortamento, qual a relação?

O Fator V de Leiden e a mutação do gene da protrombina estão associados ao risco de Trombose Venosa, ele resulta no aumento do risco de eventos vasoclusivos venosos, em portadores em homozigose ou heterozigose dessa mutação.

O Fator V de Leiden, além de afetar os vasos comuns nos eventos trombóticos, pode atingir locais incomuns do sistema arterial e venoso, associando-se à restrição de crescimento intra-uterino e o aborto.

O diagnóstico pode ser realizado de forma indireta por ensaios funcionais da resistência da proteína C ativada ou de forma direta analisando-se o DNA, porém é importante que se determine a forma homozigota ou heterozigota, nesse caso, a análise do DNA é obrigatória.

Vá sempre a um médico para check ups anuais e, se preciso, visite um especialista!

Dra. Regina Biasoli

Hematologista e Clínica Geral

CRM 75627

RQE 30670

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *